02/07/2018 - 13:37
Tecnologia é mais barata e eficiente do que as existentes no mercado

A recuperação de pacientes com lesão na medula, internados em Unidades de Tratamento Intensivo, é sempre muito delicada e difícil. Qualquer escolha errada pode ser decisiva nesse processo. Avaliando esse cenário professores dos cursos de Fisioterapia e Engenharia Mecânica da Universidade La Salle projetaram um equipamento que pode facilitar o processo de recuperação respiratória dos pacientes.  “Normalmente os pacientes que estão submetidos a ventilação mecânica por tempo superior a 48 horas já apresentam comprometimento de forma geral na sua força e redução no percentual de fibras musculares, isso acontece também nos músculos responsáveis pela respiração como o diafragma e os abdominais. O fisioterapeuta precisa avaliar qual a força respiratória do paciente nessas condições”, explica o Prof. Me. Fabrício da Fontoura, da Fisioterapia. A força precisa ser avaliada para entender se o paciente já tem condições de deixar a ventilação mecânica ou ainda precisa passar por um treinamento de força específico para poder respirar de forma independente. Se isso for feito sem um equipamento específico o paciente pode demorar mais tempo sob ventilação mecânica comprometendo assim o seu prognóstico sob o risco de novas infecções. O equipamento existente hoje no mercado não atende totalmente as necessidades dos profissionais da saúde: “Esse equipamento custa hoje até R$ 9 mil, além de não ter uma acurácia tão boa. O equipamento que criamos capta mais dados por segundo, gerando informações mais precisas que podem ser determinantes nas decisões tomadas na UTI”, explica o professor.

 

O que é o equipamento?

O equipamento tem nome complicado, manovacuômetro digital MCF001, e foi criado no laboratório de Engenharia Mecânica da Universidade. “Em uma conversa com o professor Fabrício vimos que havia a possibilidade da Engenharia Mecânica contribuir para a área da saúde! Partimos então para ver as necessidades e os instrumentos utilizados nas UTIs e vimos qual instrumento poderia ser construído pela mecânica e que pudesse contribuir para a avaliação de pacientes”, contextualiza o Prof. Dr. Charles Rech, coordenador da Engenharia Mecânica. O protótipo foi construído por ele utilizando um conversor A/D, um sensor de pressão, um comunicador wireless e programação de software. O produto está em processo de patente e o projeto será disponibilizado para que outras UTIs possam construir o equipamento a baixo custo. "O equipamento elaborado por nós custa no máximo R$ 50 e as informações são armazenadas nas 'nuvens' via celular e ou computador", detalha Rech. O equipamento precisa ser registrado e aprovado pela ANVISA para ser liberado seu uso clínico na população geral, por enquanto, pode ser utilizado em estudos científicos aprovados e pesquisa em populações específicas e com rígidos critérios de segurança ao paciente.

 

Equipamento foi testado em hospital de Canoas

Após muitos testes em laboratórios e nos acadêmicos voluntários, os testes que comprovam a eficácia do manovacuômetro digital foram feitos no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Canoas, durante o segundo semestre de 2017. O processo de testes deu origem ao trabalho de conclusão de curso da aluna Isadora Sodré, da Fisioterapia.  “O incentivo dos professores que os alunos trabalhem em pesquisas e trabalhos associando áreas de conhecimentos distintas faz com que os trabalhos de conclusões de curso sejam mais elaborados e com base em estudos, apresentando uma relevância para a sociedade e área da saúde”, avalia a aluna. Os pacientes com lesão medular incompleta que foram avaliados aumentaram a força muscular inspiratória ao longo de três semanas de treinamento. “Os resultados revelaram grande contribuição deste equipamento para a área da saúde, visto que as medições podem ser dinâmicas e em tempo real”, avaliou Isadora.

 



Buscar
Seção
Área
Período
A partir de
até
Voltar